segunda-feira, 11 de junho de 2018

terça-feira, 5 de junho de 2018

Imagem de Leitura

                                               
                                               Imagem : Brian Kershisnik, 1962 - USA

quinta-feira, 31 de maio de 2018

A ELEGÂNCIA DO COMPORTANMENTO



                                                       
                                                   ELEGÂNCIA



Existe uma coisa difícil de ser ensinada  e que, talvez por isso, esteja cada vez mais rara : a elegância do comportamento.
É um dom que vai muito além do uso correto dos talheres e que abrange bem mais do que  dizer um simples obrigado diante de uma  gentileza.
É a elegância que  nos acompanha da primeira hora da  manhã até a hora de  dormir e que se manifesta  nas situações mais prosaicas, quando não há festa  alguma nem  fotógrafos por  perto.
É uma elegância  desobrigada.
É possível detectá-la nas pessoas  que elogiam mais do  que criticam.
Nas pessoas que escutam  mais do que falam.  E quando  falam, passam longe da  fofoca, das pequenas  maldades ampliadas no  boca a boca.
É possível detectá-la  nas pessoas que não  usam um tom superior de voz ao se dirigir a frentistas.
Nas pessoas que evitam  assuntos  constrangedores porque não sentem prazer  em humilhar  os outros.
É possível detectá-la  em pessoas  pontuais.
Elegante é quem demonstra interesse  por assuntos que desconhece, é quem presenteia fora das datas festivas, é quem cumpre o que promete e, ao receber uma ligação, não recomenda à secretária que pergunte antes quem  está falando e só depois manda dizer se está ou não  está.
Oferecer flores é sempre  elegante.
É elegante não ficar espaçoso  demais.
É elegante, você fazer algo por alguém ,  e este alguém jamais saber o que você teve que se arrebentar  para o  fazer...
É elegante não mudar seu estilo apenas para se adaptar ao  outro.
É muito elegante não falar de dinheiro em bate-papos  informais.
É elegante  retribuir carinho e solidariedade.
É elegante o  silêncio,  diante de uma  rejeição....
Sobrenome, jóias e nariz empinado  não substituem  a elegância do Gesto.
Não há livro que ensine alguém  a ter uma visão generosa do mundo,  a estar nele de uma forma não  arrogante.
É elegante a gentileza,.atitudes gentis falam mais que  mil imagens...
...Abrir a porta para alguém...é muito  elegante
...Dar o lugar para alguém sentar...é muito  elegante
...Sorrir, sempre é muito elegante e faz um bem  danado para a alma...
...Oferecer ajuda...é muito  elegante
...Olhar nos olhos, ao conversar  é  essencialmente elegante
Pode-se tentar capturar esta delicadeza natural  pela observação, mas tentar imitá-la é improdutivo.
A saída  é desenvolver em si mesma a arte de conviver, que independe de status social:  é só pedir licencinha para o nosso lado brucutu,  que acha que "com amigo não tem que ter estas  frescuras".

Se os amigos não merecem uma certa cordialidade, os inimigos é  que não irão  desfrutá-la.

Educação enferruja por falta de  uso.

E, detalhe : não é  frescura.

(Toulouse-Lautrec)

Henri-Marie-Raymonde de Toulouse-Lautrec-Monfa Nome complicado, para um pintor francês, nascido em 1864, foi amigo de Van Gongh e o influenciou. Era um boêmio e pintou basicamente cenas e o ambiente dos bordéis de Paris, suas mulheres artistas... É um pintor impressionista e apesar de saber o seu valor artístico, só estou postando por causa desse texto sobre elegância que é simplesmente fenomenal!!!

Imagem:  Toulouse -Lautrec  – 1894 Salon in the rue dês moulins


terça-feira, 8 de maio de 2018

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Fernando Pessoa



Adiamento

Depois de amanhã, sim, só depois de amanhã...
Levarei amanhã a pensar em depois de amanhã,
E assim será possível; mas hoje não...
Não, hoje nada; hoje não posso.
A persistência confusa da minha subjetividade objetiva,
O sono da minha vida real, intercalado,
O cansaço antecipado e infinito,
Um cansaço de mundos para apanhar um elétrico...
Esta espécie de alma...
Só depois de amanhã...
Hoje quero preparar-me,
Quero preparar-me para pensar amanhã no dia seguinte...
Ele é que é decisivo.
Tenho já o plano traçado; mas não, hoje não traço planos...
Amanhã é o dia dos planos.
Amanhã sentar-me-ei à secretária para conquistar o mundo;
Mas só conquistarei o mundo depois de amanhã...
Tenho vontade de chorar,
Tenho vontade de chorar muito de repente, de dentro...

Não, não queiram saber mais nada, é segredo, não digo.
Só depois de amanhã...
Quando era criança o circo de domingo divertia-me toda a semana.
Hoje só me diverte o circo de domingo de toda a semana da minha infância...
Depois de amanhã serei outro,
A minha vida triunfar-se-á,
Todas as minhas qualidades reais de inteligente, lido e prático
Serão convocadas por um edital...
Mas por um edital de amanhã...
Hoje quero dormir, redigirei amanhã...
Por hoje, qual é o espetáculo que me repetiria a infância?
Mesmo para eu comprar os bilhetes amanhã,
Que depois de amanhã é que está bem o espetáculo...
Antes, não...
Depois de amanhã terei a pose pública que amanhã estudarei.
Depois de amanhã serei finalmente o que hoje não posso nunca ser.
Só depois de amanhã...
Tenho sono como o frio de um cão vadio.
Tenho muito sono.
Amanhã te direi as palavras, ou depois de amanhã...
Sim, talvez só depois de amanhã...

O porvir...
Sim, o porvir...

 ÁLVARO DE CAMPOS
14-4-1928
In Poesias de Álvaro de Campos. Fernando Pessoa, 1944
Ed. Ática, Lisboa (imp. 1993)

sábado, 14 de abril de 2018

Olhar



                                               
        RECEITA DE OLHAR

      Nas primeiras horas da manhã
      desamarre o olhar
      deixe que se derrame
      sobre todas as coisas belas
      o mundo é sempre novo
      e a terra dança e acorda
      em acordes de sol

      faça do seu olhar imensa caravela

Roseana Murray. Receita de olhar. São Paulo: FTD, 1999



Imagem:   https://www.olharimagem.com/