quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

O tempo




                  O TEMPO ACABA O ANO, O MÊS E A HORA

                          O tempo acaba o ano, o mês e a hora,
                          A força, a arte, a manha, a fortaleza;
                          O tempo acaba a fama e a riqueza,
                          O tempo o mesmo tempo de si chora.

                          Tempo busca e acaba o onde mora
                          Qualquer ingratidão, qualquer dureza;
                          Mas não pode acabar minha tristeza,
                          Enquanto não quiserdes vós, Senhora.

                          O tempo o claro dia torna escuro,
                          E o mais ledo prazer em choro triste;
                          O tempo a tempestade em grã bonança.

                          Mas de abrandar o tempo estou seguro
                          O peito de diamante, onde consiste
                          A pena e o prazer desta esperança.

                                        *****************
                                        
                                        (Luís Vaz de Camões)

segunda-feira, 24 de dezembro de 2018

Mensagem

      
     Hoje quero deixar a todos o meus votos de FELIZ  NATAL.
     Que o MENINO JESUS  renove as esperanças que regem nossas vidas e nossos sonhos.




Agradeço a todos pelas visitas e leituras

 ABRAÇO,


                                              Aureliano.

terça-feira, 21 de agosto de 2018

Azul




                                                                 Poema Azul

                                                           O mar beijando a areia
                                                           O céu e a lua cheia
                                                           Que cai no mar
                                                           Que abraça a areia
                                                           Que mostra o céu
                                                           E a lua cheia
                                                           Que prateia os cabelos do meu bem
                                                           Que olha o mar beijando a areia
                                                           E uma estrelinha solta no céu
                                                           Que cai no mar
                                                           Que abraça a areia
                                                           Que mostra o céu e a lua cheia
                                                           um beijo meu

                                                                         Sophia de Mello Breyner Andresen

terça-feira, 14 de agosto de 2018

Que bom seria



Que bom seria
você , menina, sempre assim:
pureza e encanto.
Em cada palavra, em cada gesto,
paisagem calma e bela,
olhar doce e inocente.
Mas o tempo vem,
máquina de moldar gente.
Vem célere e, sem perceber,
Sua mudança principia.
Aí, por fim,
sua inocência séria
modifica-se e  agravam-se
as feições , os sentimentos.
E a menina se transforma,
Num átimo corrompe a alma.
Já em pleno adolescer,
Vai-se a luminosidade ,o encanto.
Turbulências se assomam
em comportamentos rebeldes, sem causa.
Sei que nem sempre é assim,
às vezes é  difícil julgar.
Mas tenho visto neste caminhar
tanta infância singela
quedar-se na superficialidade
das coisas finitas,
sem ainda saber o profundo do viver.
Assim, trocam-se muito facilmente
personalidades , antes protegidas,
pela insistente e ingênua compreensão
de que o mundo é uma aventura,
ilimitada e irresponsável
e de que na vida,
não se pesam liberdades
nem consequências.
E aqui, neste momento
em que a contemplo,
fico querendo
que o tempo a poupe
e a mantenha
Beleza e Bondade,
Criança e Menina.

                              Aureliano


Imagem : Vladimir Volegov



segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Leitura


A litlle girl reading 
Johan Gudmundsen - Holmgreen Danish ( 1912 - 1958)

Um dia, Tio Terês




"Um dia, tempos, Tio Terêz o levara à beira da mata, ia tirar taquaras. A gente fazia um feixe e carregava. '- Miguilim, este feixinho está muito pesado para você?'. '- Tio Terêz, está não. Se a gente puder ir devagarinho como precisa, e ninguém não gritar com a gente para ir depressa demais, então eu acho que nunca que é pesado...' "

                                                   João Guimarães Rosa