terça-feira, 28 de janeiro de 2020

Amo a vida





                                                      Amo a vida.
                                                      Fascina-me o mistério de existir.
                                                      Quero viver a magia
                                                      de cada instante,
                                                      embriagar-me de alegria.
                                                      Que importa a nuvem no horizonte,
                                                      chuva de amanhã?
                                                      Hoje o sol inunda o meu dia.

                                                              Helena Kolody,    in Paisagem Interior
                                                              Imagem : Kinuko Craft

Ensaios Poéticos I

  Ensaios Poéticos  I

                                                                  Era singela,
                                                                  Qualidade hoje tão em falta.
                                                                  Sua vida num resumo
                                                                  Dava uma folha.
                                                                  Mas seu amor era sem fim
                                                                  A abraçar o próximo.
                                                                  Então santa ficou
                                                                  Sem sequer desejar para si
                                                                  Alguma realização.
                                 
                                                **********                                 
                                                 Na noite
                                                                 Anjos a visitaram
                                                                 Tomaram-lhe o corpo.
                                                                 Alçando voo,
                                                                 Cruzaram as siderações.
                                                                 Ao acordar
                                                                 Viu-se em deslumbrante lugar.

                                                                                  
                                                                                                                  Aureliano

segunda-feira, 16 de dezembro de 2019

Manoel de Barros


                                  
                                          Histórias da unha do dedão do pé do fim do mundo ...


                                                      https://youtu.be/a-HDwM3jebY

quinta-feira, 12 de dezembro de 2019

Poema de E.E. Cummings


                               
                                           Chamar a Si Todo o Céu com um Sorriso
                                                 



                               que o meu coração esteja sempre aberto às pequenas
                               aves que são os segredos da vida
                               o que quer que cantem é melhor do que conhecer
                               e se os homens não as ouvem estão velhos

                               que o meu pensamento caminhe pelo faminto
                               e destemido e sedento e servil
                               e mesmo que seja domingo que eu me engane
                               pois sempre que os homens têm razão não são jovens

                               e que eu não faça nada de útil
                               e te ame muito mais do que verdadeiramente
                               nunca houve ninguém tão louco que não conseguisse
                               chamar a si todo o céu com um sorriso

                                      E. E. Cummings, in “livrodepoemas”
                                      Tradução de Cecília Rego Pinheiro



terça-feira, 8 de outubro de 2019

O poeta Ivan Junqueira






Poemas de Ivan Junqueira




Tristeza

Esta noite eu durmo de tristeza.
(O sono que eu tinha morreu ontem
queimado pelo fogo de meu bem.)
O que há em mim é só tristeza,
uma tristeza úmida, que se infiltra
pelas paredes de meu corpo
e depois fica pingando devagar
como lágrima de olho escondido.

(Ali, no canto apagado da sala,
meu sorriso é apenas um brinquedo
que a mãozinha da criança quebrou.)

 E o resto é mesmo tristeza.

 (de Os Mortos)


Elegia Íntima

Minha mãe chorando no fundo da noite
rachou o silêncio do quarto adormecido.
Meu pai olhava o escuro e não dizia nada,
Um relógio preto gotejava barulho.

Lá fora o vento lambia as espáduas do céu.

Minha mãe chorando no fundo da noite
Apunhalou o sono de Deus.


(idem)


 Madrigal

Azul e pontual,
o céu acordou:

cada aurora
em seu horizonte.

Mas a pergunta,
Como um gládio

em riste, cravou
seu aço no vazio

— e lá, imóvel, ficou
esperando a resposta

que não raiou.


(idem)



Hoje

 A sensação oca de que tudo acabou
o pânico impresso na face dos nervos
o solitário inverno da carne
a lágrima, a doce lágrima impossível...
e a chuva soluçando devagar
sobre o esqueleto tortuoso das árvores

 (idem)

Haicai

Na gaiola jaz
o pássaro
sem espaço

(de Opus Descontínuo)


O Poema

Que será o poema,
essa estranha trama
de penumbra e flama
que a boca blasfema?

Que será, se há lama
no que escreve a pena
ou lhe aflora à cena
o excesso de um drama?

Que será o poema:
uma voz que clama?
Uma luz que emana?
Ou a dor que algema?

(de A Sagração dos Ossos)



           Talvez o vento saiba

Talvez o vento saiba dos meus passos,
das sendas que os meus pés já não abordam,
das ondas cujas cristas não transbordam
senão o sal que escorre dos meus braços.
As sereias que ouvi não mais acordam
à cálida pressão dos meus abraços,
e o que a infância teceu entre sargaços
as agulhas do tempo já não bordam.
Só vejo sobre a areia vagos traços
de tudo o que meus olhos mal recordam
e os dentes, por inúteis, não concordam
sequer em mastigar como bagaços.
Talvez se lembre o vento desses laços
que a dura mão de Deus fez em pedaços.

           Ivan Junqueira já foi chamado, com inteira justiça, de “o poeta do pensamento”. Carioca, nascido em 3 de novembro de 1934, Ivan Nóbrega Junqueira é também um premiado ensaísta (O encantador de serpentes, 1987; O signo e a sibila, 1993; O Fio de Dédalo, 1998), crítico literário de incomum dignidade humanística e tradutor de T.S.Eliot, Marguerite Yourcenar, Marcel Proust, Dylan Thomas e Charles Baudelaire, de quem verteu para nosso idioma o inigualável poema As Flores do Mal.

Sua extensa obra poética (de Os Mortos, 1964, a Poemas Reunidos, 1999), preocupada com questões políticas e metafísicas, abriu-lhe as portas da Academia Brasileira de Letras, onde ocupou a Cadeira nº 37, patroneada pelo poeta inconfidente Tomás Antônio Gonzaga, e de que foi Presidente no biênio 2003-05.

JUNQUEIRA, Ivan.  Essa música  2009-2013.   Rio de Janeiro: Rocco, 2014.   95 p.  14x21? cm  “Orelha” do livro por Marco Lucchesi.  ISBN 978-85-325-2924-4   “ Ivan Junqueira “  Ex. bibl. Antonio Miranda

sábado, 29 de junho de 2019

Um poema de Brecht

                                           
                                     A exceção e a regra

                                            Nós vos pedimos com insistência:
                                            Nunca digam – Isso é natural.
                                            Diante dos acontecimentos de cada dia.
                                            Numa época em que reina a confusão,
                                            Em que corre o sangue,
                                            Em que se ordena a desordem,
                                            Em que o arbitrário tem força de lei,
                                            Em que a humanidade se desumaniza…
                                            Não digam nunca: Isso é natural.
                                            A fim de que nada passe por ser imutável.
                                            Sob o familiar, descubram o insólito.
                                            Sob o cotidiano, desvelem o inexplicável.
                                            Que tudo que seja dito ser habitual
                                            Cause inquietação.
                                            Na regra é preciso descobrir o abuso.
                                            E sempre que o abuso for encontrado,
                                            É preciso encontrar o remédio.
                                            Vocês, aprendam a ver, em lugar de olhar bobamente.
                                            É preciso agir em vez de discutir.
                                            Aí está o que uma vez conseguiu dominar o mundo.
                                            Os povos acabaram vencendo.
                                            Mas não cantem vitória antes do tempo.
                                            Ainda está fecundo o ventre de onde surgiu a coisa imunda.

                                            BERTOLD BRECHT