sábado, 23 de abril de 2016

                                                            
                                                                Ainda bem que passou...

                                                          Ainda bem que passou
                                                          aquela medida de tristeza.
                                                          Coisa sem jeito de desgrudar da gente,
                                                          mas que por força e insistência
                                                          teima em ficar como um visgo,
                                                          preso , colado, pegajoso.
                                                          Quando passa,
                                                          a alma fica leve,
                                                          se ilumina
                                                          de modo a só achar
                                                          segurança e companhia.


                                                                                                     Aureliano

                                                         

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Para ler e se encantar



KAFKA E A BONECA VIAJANTE

O livro Kafka e a boneca viajante de Jordi Sierra i Fabra retrata a história de Franz Kafka um escritor que encontra uma menina no parque da cidade de Berlim, esta menina estava chorando e triste perdido a sua boneca (Brígida), Franz começa a conversar com a menina e descobre que pode ajuda-la a consolar-se, então vai até a vizinha que tem uma filha e começa a conversar com a filha da vizinha, pedindo informação de como é ter uma boneca, e após isso vai para sua casa.
                Na casa dele, ele começa a escrever a carta que inventara ser de Brígida para poder consolar a menina Elsi. No dia seguinte ele vai até o parque no mesmo banco de praça e começa a ler a carta para a menina, ela pareceu estar mais alegre por saber que Brígida estava bem no fim da leitura ele entrega a carta para Elsi e ambos vão para suas casas alegres um por saber que a menina estava bem.
                 No dia seguinte ele teria que fazer Brígida viajar para outros lugares, desta vez a incrível Brígida foi para Paris a cidade luz. Na carta ela conta ter ido a torre Eiffel, no museu do Louvre e outros lugares mais.
                E agora a pequena boneca viajante iria para onde? Ela viajou para Veneza, mas não contaria a história de Veneza com tanto entusiasmo pois era uma cidade mais séria não era muito para se divertir, é mais para se ir visitar mesmo.
                Mas Franz estava começando a ficar preocupado, porque até quando Brígida ficaria viajando, um dia teria que acabar, sempre tem um fim da linha para alguém mesmo que esse alguém seja uma boneca.
                E ele estava se matando, indo em lojas de colecionadores comprar os selos, retirando os selos das próprias cartas dele, e tendo que leva-lá até Elsi no parque da cidade.
                Brígida então escreveu a sua penúltima carta para Elsi, que falava que ela estava muito feliz na Tanzânia e que ela tinha se casado com Gustavo o namorado que tinha conhecido na Tanzânia.
                As coisas estavam muito difíceis para Kafka, mesmo ele estando feliz em escrever as cartas para Elsi, mas estava difícil lidar com a sua doença e ele estava com medo de morrer cedo.
                 Na última carta de Brígida para Elsi, Brígida diz que é para Elsi viver a sua vida para ser feliz e a agradece por Elsi ter ensinado a Brígida tudo o que ela sabe hoje. E mandou de presente para Elsi uma linda boneca de porcelana, com os cabelos loiros, olhos de cor bem forte e que se chamava Dora.

 Jordi Sierra I Fabra

Jordi Sierra i Fabra (Barcelona, ​​26 jul 1947) é um escritor espanhol, apontou para a variedade de questões e registros em sua narrativa, abordando todos os gêneros, e porque reflete como nenhum outro castelhano falado em áreas de Catalão. Nos últimos 25 anos suas obras de literatura infantil foram publicados na Espanha e América Latina. Também tem sido um estudioso notável do rock desde o final dos anos 60. Foi fundador e / ou diretor de várias revistas, The Musical Grande, Disco Express, Popular 1, Revista Top, Pop Extra ou Super, o último, e em 1977, quando a música tinha parado pela literatura. Autor precoce, começou a escrever aos 8 anos e 12 anos, escreveu sua primeira novela longa, de 500 páginas. Em 1970 abandonou os estudos e trabalhar para profissionalizar totalmente e comentarista musical. Em 2009 já passou dos 9 milhões de livros vendidos em Espanha. Ele tem um extenso trabalho em 2010 atinge 400 livros e ganhou diversos prêmios por seu trabalho ou em castelhano ou catalão, e ambos os lados do Atlântico (Literatura Infantil Nacional, Ateneo de Sevilla, Villa de Bilbao, Vaixell Vapor, Grande Angular, Edebé, Coluna Jove, Joaquim Ruyra, CCEI, Na beira do vento, entre muitos outros). Muitos de seus romances foram trazidos para o teatro e um pouco de televisão. Em 2006 e 2010, foi nomeado para o Prêmio Nobel de literatura para jovens Prêmio Hans Christian Andersen, representando a Espanha. Viajante inveterado, seu trabalho muitas vezes baseia-se em suas próprias experiências em toda parte. Em 2004 ele estabeleceu a Fundação Jordi Sierra i Fabra, em Barcelona, ​​destinado a promover a escrita criativa entre os jovens em espanhol. Cada ano reúne um prêmio literário para crianças menores de 18 anos. Levou o mesmo 2004 Oficina Livre Fundação Jordi Sierra i Fabra para a América Latina com sede em Medellín, Colômbia, atendendo mais de cem mil crianças e jovens a cada ano.



Imagem : https://br.search.yahoo.com/search?p=imagem+de+bonecas+de+pano+passo&ei=UTF-8&fr=chr-greentree_ff&ilc=12&type=435371

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Ano Novo .Toda liberdade de ser!



          "Todo novo ano que inicia é um convite a uma releitura de si mesmo. Você já passou pelos mesmos janeiros e fevereiros e marços que aí vêm, os mesmos carnavais e páscoas, as mesmas mordidas do Leão, as mesmas estações, o mesmo do mesmo. Se daqui para frente queremos extrair alguma novidade de fato, ela virá da nossa maneira de encarar a vida, de desfrutá-la com mais proveito.
         Então, que se oferende flores a Iemanjá, já que rituais de otimismo e fé não fazem mal a ninguém, e que se oferte abraços e bons votos aos amigos, já que a alegria é uma energia que vale a pena ser trocada, e que a gente doe sempre o que temos de melhor, aquilo que nos movimenta – e não o que nos trava. Que em 2016 consigamos romper com nossos receios sobre o que os outros irão pensar de nós, com o que não nos traz retorno, com o que não nos insere no universo de uma forma mais efetiva e bonita. Chega de cultuar impedimentos. Façamos, para variar, oferendas ao risco."


                                                                                Martha Medeiros

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Um grande poeta

                                                             
                                                                 Névoas

                                             À frente a lua, atrás os sonhos,
                                             qual a distância a percorrer?
                                             Não a suspeitam nossos olhos:
                                             a bruma sobe das estradas
                                             e desorienta homens e bússolas.

                                             Mesmo que voássemos bem alto,
                                             e os céus se abrissem para nós,
                                             nem mesmo assim divisaríamos
                                             frutos rubros que buscamos
                                             pelos pomares das estrelas.

                                             Como condores, fronte a pino,
                                             cortando os ares meio tontos,
                                             em vez de dar com o rumo certo
                                             cairíamos na terra cega,
                                             ruiríamos no mar opaco.

                                             Este é o castigo que nos deram:
                                             imaginar com vista ousada,
                                             porém achar grossas neblinas
                                             fechando o mundo que buscamos
                                             por tê-lo visto em pensamento.

                                             E assim deixamos para trás
                                             os sonhos, deuses compassivos:
                                             sem os podermos contemplar
                                             olhamos como um branco enigma
                                             - nevoentos, zonzos os caminhos –
                                             somente a lua à nossa frente.



                               Péricles Eugênio da Silva Ramos    in A Noite da Memória

Péricles Eugênio da Silva Ramos (Lorena, 1919 — São Paulo, 1992) foi um poeta, tradutor, ensaísta, crítico literário e professor brasileiro.

http://pt.wikipedia.org/wiki/P%C3%A9ricles_Eug%C3%AAnio_da_Silva_Ramos

Imagem : https://www.google.com.br/search?q=Lua+enevoada&rlz

terça-feira, 14 de julho de 2015

Um sono bom


Um sono assim, suave e gostoso,
povoado de sonhos, só mesmo nas páginas de um livro...



                      Imagem  -  https://www.google.com.br/search?q=moça+dormindo+num+livro&rlz=1C1KMZ

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015



Tempo



A idade das coisas passa pelo crivo do tempo.
Verdades e mentiras se consomem todas.
O que nos resta é o presente
Condicionando-nos à necessidade de vivê-lo,
Não perder nenhum segundo do seu esvair-se.

Mas   existem o sonho e a imaginação,
Nossos   subterfúgios de liberdade
A garantir nossa sobrevivência Diária
E, por que não,
Dar-nos pretensões de  Eternidade

Nesta vida, nesta passagem.

                                                         Aureliano