sábado, 29 de junho de 2019

Um poema de Brecht

                                           
                                     A exceção e a regra

                                            Nós vos pedimos com insistência:
                                            Nunca digam – Isso é natural.
                                            Diante dos acontecimentos de cada dia.
                                            Numa época em que reina a confusão,
                                            Em que corre o sangue,
                                            Em que se ordena a desordem,
                                            Em que o arbitrário tem força de lei,
                                            Em que a humanidade se desumaniza…
                                            Não digam nunca: Isso é natural.
                                            A fim de que nada passe por ser imutável.
                                            Sob o familiar, descubram o insólito.
                                            Sob o cotidiano, desvelem o inexplicável.
                                            Que tudo que seja dito ser habitual
                                            Cause inquietação.
                                            Na regra é preciso descobrir o abuso.
                                            E sempre que o abuso for encontrado,
                                            É preciso encontrar o remédio.
                                            Vocês, aprendam a ver, em lugar de olhar bobamente.
                                            É preciso agir em vez de discutir.
                                            Aí está o que uma vez conseguiu dominar o mundo.
                                            Os povos acabaram vencendo.
                                            Mas não cantem vitória antes do tempo.
                                            Ainda está fecundo o ventre de onde surgiu a coisa imunda.

                                            BERTOLD BRECHT

sábado, 25 de maio de 2019

A Menininha e a Flor


                                                 A Menininha e a Flor


                                               Era uma flor
                                               Na solidão de um jardim.
                                               Cismava tristemente
                                               Sem nenhuma companhia.
                                               Destino estranho este
                                               Ser flor num jardim assim.

                                               Para compensar sua dor
                                               Todo dia aviva sua cor
                                               Para ver se alguém a notava.

                                               Até que um dia,
                                               Uma linda menininha
                                               Passeava por ali.
                                               Viu-a, notou-lhe a beleza.
                                               Então , ao tocá-la
                                               Com suas mãozinhas singelas,
                                               A flor solitária se multiplicou.

                                               E repleto o jardim,
                                               Outras crianças  surgiram.
                                               Da mágica infantil,
                                               A flor cheia de importância,
                                               Figurava entre todas
                                               A mais bela.

                                               Plena de agradecimentos
                                               Sentiu no olhar das crianças
                                               Alegria sem fim.
                                               Num êxtase deixou-se apanhar
                                               Pela menininha
                                               Que a levou para casa.

                                               No meio  do caminho,
                                               Menininha  e flor,
                                               Envolvidas em zelo e carinho
                                               Fundiram-se
                                               Em bela mulher.
                                                
                                                                                                                        
                                                                                                                                    Aureliano

terça-feira, 9 de abril de 2019

Oceano Perpétuo




Vi no http://educa-tube.blogspot.com

Oceano perpétuo: animação revela que movimento dos oceanos lembra quadros de Van Gogh

O vídeo acima, Oceano perpétuo, descobri no Facebook, na página Nota Terapia, que destaca animação divulgada pela a agência espacial norte-americana (NASA), em que o movimento dos oceanos lembra, e muito, aos quadros do pintor holandês Vincent Van Gogh. Por sinal, tudo que Vincent produziu de arte é genial e muitas postagens nesse blog destacam e comprovam isso.
O vídeo foi apresentado na página The Earth History (A História da Terra) e, confirme o Nota Terapia, "(...) foi produzido pela JPL e pelo MIT como parte do modelo de circulação global criado por estas instituições, com satélites e medições dos padrões das superfícies oceânicas. A ideia é possibilitar a visualização as correntes em larga e pequena escalas que movimentam nossos oceanos. A comparação com Van Gogh, que poderia parecer forçada, nos dá uma pista interessante, não só para entender o movimento dos mares, mas da potência da arte: ao contrário do que se pensa o oceano não se movimento em grandes blocos, ou frentes, mas em milhões de pequenos movimentos circulares que se organizam e reorganizam entre si".
A matéria fala em "desarmonia harmônica" que é a sensação que a obra de Van Gogh nos traz e que os oceanos trazem em seus movimentos também. A arte imita a vida que imita a arte. A arte está em toda parte e a Natureza é a artista primordial e autêntica. Nós, humanos, somos apenas seus copiadores.
Uma série de figuras geométricas e harmônicas estão nas obras de Vincent e nos oceanos do mundo. Algo genial. Tal qual a proporção áurea descoberta por Pitágoras e a matemática em toda parte.
Fonte: http://educa-tube.blogspot.com/2019/04/oceano-perpetuo-animacao-revela-que.html? -
José Antonio Klaes Roig

terça-feira, 2 de abril de 2019

O Beija-flor






O beija-flor
beijou
a flor.
Num ato
e reflexo
a flor,
sentiu:
bico suave ,
sutil,
pontiagudamente,
tocar-lhe
no aveludado
 Doce.
Ao final:
Flor
Cor
Beija-flor
Amor.
                                                     Aureliano



Ancorei...



                                   


                                   
                                   Ancorei o olhar numa estrela
                                   depois  de percorrer
                                   inúmeras  siderações.
                                   Agora contemplo o espaço,
                                   longinquamente...
                                   Aposentei as viagens.
                                   Dei  para sonhar
                                   Com o indefinido das coisas,
                                   buscar  no saudável   da memória,
                                   alentos  e amenidades .

                                                                                           Aureliano

Imagem : http://astronomia12a.blogspot.com/2008/06/porque-que-as-estrelas-no-brilham-de.html

terça-feira, 19 de março de 2019

Ainda bem...


                                               Ainda bem que deu tempo

                Aquele olhar encantou-o sobremaneira. Sentiu também uma correspondência. Um querer igual,   desejo de chegar perto, de estar ao lado. Contemplação e aproximação.
                Não, melhor não, não era o momento. Coração a fraquejar e entregar-se assim primeira vez,  não. Coração aberto não dava, não podia, fugia ao seu estilo.
                Passou a simular. Era uma indiferença dolorida que a si impunha obrigatória. E olhá-la assim indiferente , que contrassenso, que forma estúpida de se conter.
                Nas conversas, confundia-se em argumentos. As palavras pareciam tão estéreis. Não podia, por muito tempo, enganar, levar a termo aquela incontida resolução de não amar, de não querer o amor. Como se coração tivesse querer...
                Os dias passavam-se. E foi numa tarde que a viu. Estava entretida em pensamentos. Despertou-a, cumprimentando-a timidamente. Ela abriu-lhe um sorriso, brilho no olhar, alegria de festa, felicidade a bailar, revelando evidências. Mas só ele não queria enxergar, estava ainda  preso  à resistência, num esforço hercúleo para continuar insensível.
                Conversaram assuntos vãos. Ele era quem os direcionava. Que besteira essa de homem ser durão,  coisa antiga , enraizada eternamente nas gerações.
                Olhou-a no profundo então, percebeu-a novamente ensimesmada. Não dava mais. Era tão linda, lirismo puro, como numa tela de Chagal. Leveza e flutuação.
                Assim, num repente , baixou a guarda, o coração foi imperativo e, prontamente , irresistivelmente a beijou. Foi correspondido. Toda resistência caiu por terra. Era definitivamente o amor liberto das amarras de um fingimento, puro orgulho, sem sentido, coisa besta mesmo.
                 Ainda bem que deu tempo, pois o amor não espera muito não, logo se evade rumo ao horizonte das ilusões perdidas.

                                                                                                                                        Aureliano

quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

O tempo




                  O TEMPO ACABA O ANO, O MÊS E A HORA

                          O tempo acaba o ano, o mês e a hora,
                          A força, a arte, a manha, a fortaleza;
                          O tempo acaba a fama e a riqueza,
                          O tempo o mesmo tempo de si chora.

                          Tempo busca e acaba o onde mora
                          Qualquer ingratidão, qualquer dureza;
                          Mas não pode acabar minha tristeza,
                          Enquanto não quiserdes vós, Senhora.

                          O tempo o claro dia torna escuro,
                          E o mais ledo prazer em choro triste;
                          O tempo a tempestade em grã bonança.

                          Mas de abrandar o tempo estou seguro
                          O peito de diamante, onde consiste
                          A pena e o prazer desta esperança.

                                        *****************
                                        
                                        (Luís Vaz de Camões)