terça-feira, 14 de agosto de 2018

Que bom seria



Que bom seria
você , menina, sempre assim:
pureza e encanto.
Em cada palavra, em cada gesto,
paisagem calma e bela,
olhar doce e inocente.
Mas o tempo vem,
máquina de moldar gente.
Vem célere e, sem perceber,
Sua mudança principia.
Aí, por fim,
sua inocência séria
modifica-se e  agravam-se
as feições , os sentimentos.
E a menina se transforma,
Num átimo corrompe a alma.
Já em pleno adolescer,
Vai-se a luminosidade ,o encanto.
Turbulências se assomam
em comportamentos rebeldes, sem causa.
Sei que nem sempre é assim,
às vezes é  difícil julgar.
Mas tenho visto neste caminhar
tanta infância singela
quedar-se na superficialidade
das coisas finitas,
sem ainda saber o profundo do viver.
Assim, trocam-se muito facilmente
personalidades , antes protegidas,
pela insistente e ingênua compreensão
de que o mundo é uma aventura,
ilimitada e irresponsável
e de que na vida,
não se pesam liberdades
nem consequências.
E aqui, neste momento
em que a contemplo,
fico querendo
que o tempo a poupe
e a mantenha
Beleza e Bondade,
Criança e Menina.

                              Aureliano


Imagem : Vladimir Volegov



segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Leitura


A litlle girl reading 
Johan Gudmundsen - Holmgreen Danish ( 1912 - 1958)

Um dia, Tio Terês




"Um dia, tempos, Tio Terêz o levara à beira da mata, ia tirar taquaras. A gente fazia um feixe e carregava. '- Miguilim, este feixinho está muito pesado para você?'. '- Tio Terêz, está não. Se a gente puder ir devagarinho como precisa, e ninguém não gritar com a gente para ir depressa demais, então eu acho que nunca que é pesado...' "

                                                   João Guimarães Rosa

quinta-feira, 26 de julho de 2018

Celebrando a beleza da natureza


                  
         Texto: “A hora e a vez de Augusto Matraga – ( trecho )  Guimarães Rosa

            "Mas, afinal, as chuvas cessaram, e deu uma manhã em que Nhô Augusto saiu para o terreiro e desconheceu o mundo: um sol, talqualzinho a bola de enxofre do fundo do pote, marinhava céu acima, num azul de água sem praias com luz jogada de um para o outro lado, e um desperdício de verdes cá embaixo — a manhã mais bonita que ele já pudera ver.

            Estava capinando, na beira do rego.
            De repente, na altura, a manhã gargalhou: um bando de maitacas passava, tinindo guizos, partindo vi­dros, estralejando de rir. E outro. Mais outro. E ainda outro, mais bai­xo, com as maitacas verdinhas, grulhantes, incapazes de acertarem, as vozes na disciplina de um coro.
            Depois, um grupo verde-azulado, mais sóbrio de gritos e em fileiras mais juntas.
            — Uai! Até as maracanãs!
            E mais maitacas. E outra vez as maracanãs fanhosas. E não se acabavam mais. Quase sem folga: era uma revoada estrilando bem por cima da gente, e outra brotando ao norte, como pontozinho preto, e outra ― grão de verdura — se sumindo no sul.
            — Levou o diabo, que eu nunca pensei que tinha tantos!
            E agora os periquitos, os periquitos de guinchos timpânicos, uma esquadrilha sobrevoando outra ... E mesmo, de vez em quando, discutindo, brigando, um casal de papagaios ciumentos. Todos tinham muita pressa: os únicos que interromperam, por momentos, a viagem, foram os alegres tuins, os minúsculos de cabecinha amarela, que não levam nada a sério, e que choveram nos pés de mamão e fizeram recreio, aos pares, sem sustar o alarido — rrr!-rrri!! rrr!-rrri!! ...
            Mas o que não se interrompia era o trânsito das gárrulas maitacas. Um bando grazinava alto, risonho, para o que ia na frente:
            — Me espera! Me espera!... — E o grito tremia e ficava nos ares, para o outro escalão, que avançava lá atrás.
            — Virgem! Estão todas assanha­das, pensando que já tem milho nas roças... Mas, também, como é que podia haver um de-manhã mesmo bonito, sem as maitacas?!...
            O sol ia subindo, por cima do voo verde das aves itinerantes. Do outro lado da cerca, passou uma rapariga. Bonita! Todas as mulheres eram boni­tas. Todo anjo do céu devia de ser mulher."

                           (Guimarães Rosa, in “A hora e a vez de Augusto Matraga”)

domingo, 24 de junho de 2018

Maluquices do H


                                                             Maluquices do  H

                                                             
                                                                                   Pedro Bandeira


                                                           O H é letra incrível,
                                                           muda tudo de repente.
                                                          Onde ele se intromete,
                                                          tudo fica diferente…

                                                          Se você vem para cá,
                                                          Vamos juntos tomar chá.
                                                          Se o sono aparece,
                                                          tem um sonho e adormece.
                                                          Se sai galo do poleiro,
                                                          pousa no galho ligeiro.
                                                          Se a velha quiser ler,
                                                          vai a vela acender.
                                                          Se na fila está a avó,
                                                          vira filha, veja só.
                                                          Se da bolha ele escapar,
                                                          Uma bola vai virar.
                                                          Se o bicho perde o H,
                                                          com um bico vai ficar.
                                                          Hoje com H se fala,
                                                          sem H é uma falha.
                                                          Hora escrita sem H,
                                                          ora bolas vai ficar.

                                                          H é letra incrível,
                                                          muda tudo de repente.
                                                          Onde ele se intromete,
                                                          tudo fica diferente…



                 Em: Mais respeito, eu sou criança, Pedro Bandeira, São Paulo, Moderna: 1994

segunda-feira, 11 de junho de 2018

terça-feira, 5 de junho de 2018

Imagem de Leitura

                                               
                                               Imagem : Brian Kershisnik, 1962 - USA