sábado, 25 de fevereiro de 2017

Dois Poemas de Mia Couto

                                                         FALTA DE REZA

                                                    Por insuficiência de reza,
                                                    por falsidade de crença
                                                    meu anjo me culpou
                                                    e vaticinou eterna penitência.

                                                    Mas não ajoelho
                                                    nem peço desculpa.
                                                    Não quero um deus
                                                    que vigie os vivos
                                                    e peça contas aos mortos.

                                                    Um deus amigo
                                                    que me chame por tu
                                                    e que espere por mim
                                                    para um copo de riso e abraços:
                                                    esse é o deus que eu quero ter.

                                                    Um deus
                                                    que nem precise de existir.



                                                               A COISA


                                                      O silêncio é o modo
                                                      como o marido habita a casa.

                                                      Vencida a porta, ao final do dia,
                                                      o homem assume porte e posses.

                                                      A mesa é onde os seus cotovelos
                                                      derramam milenares cansaços.

                                                      Nesse cotovelório
                                                      vai trocando vida por idade.

                                                      Partilha a medonhez dos bichos:
                                                      medo do silêncio,
                                                      mais pavor ainda das palavras.

                                                      Para a mulher,
                                                      Porém, ele não é senão um menino
                                                      no aguardo de um agrado.

                                                      Em redor do silêncio
                                                      ela rodopia, sem voz, sem cheiro, sem rosto.

                                                      Em solidão,
                                                      o homem come,
                                                      merecedor do que lhe é servido.

                                                      Depois,
                                                      bebe como se fosse bebido,
                                                      tragado pelo vazio dos desertos.

                                                      Dono do seu despovoado,
                                                      então, ele a agride, com ferocidade de bicho.

                                                      A mulher se estilhaça no soalho,
                                                      sombrio retrato da parede tombado.

                                                       No leito,
                                                       já servido o marido,
                                                       as lágrimas vão colando os seus fragmentos.

                                                       E a esposa volta a ser coisa.

                                                                                                MIA  COUTO


Fonte : Poemas escolhidos / Mia Couto ; apresentação José Castello  -   1ª- ed. -   São Paulo : Companhia das Letras, 2016.


segunda-feira, 23 de janeiro de 2017


                          Oportunidade

             Ofendem-me os que dizem que não voltarei,
             Porque bati à tua porta e não te encontrei;
             Porque todas as noites  permaneço à tua porta,
             E ordeno que despertes e te ergas para lutar e vencer.
             Não chores pelas preciosas chances que passaram;
             Não chores pela idade de ouro que se foi;
             Todas as  noites queimo o registro do dia;
             Ao erguer do sol, todas as almas nascem de novo.
             Ri como um menino aos esplendores que passaram.
             Às alegrias que se esvaíram, sê surdo e mudo.
             O meu julgamento sela o passado que morreu,

             Mas nunca prende um momento ainda por vir.
             Mesmo afundado na lama, não torças as mãos nem chores.
             Dou o meu braço a todos os que dizem: “Eu posso!”
             Nenhum pária algum dia caiu tão baixo
             Que não pudesse erguer-se e ser um homem novamente!
             Lastimas a mocidade Perdida?
             Hesitas em desfechar o golpe merecido?
             Volta-te então dos arquivos apagados do passado,
             E encontrarás as brancas páginas do futuro.
             Choras por uma pessoa amada? Liberta-te da magia;
             És um pecador? O pecado tem perdão;
             Cada manhã te dá asas com que voar do inferno,
             Cada noite uma estrela para te guiar aos céus.

                                                   Walter Malone,  In  “Opportunity”


   Fonte: A Lei do triunfo Napoleon Hill,  36º Edição Ed.José Olympio  ,Pág. 608 e 609
  
                      Imagem   http://www.alinecarvalhotri.com/2015/12/12/eu-acredito-no-impossivel

Ser feliz





Existe somente uma idade para a gente ser feliz, somente uma época na vida  de cada pessoa em que é possível sonhar e fazer planos e ter energia bastante para realizá-los a despeito de todas as dificuldades e obstáculos. Uma só idade para a gente se encantar com a vida e viver apaixonadamente e desfrutar tudo com toda intensidade sem medo nem culpa de sentir prazer. Fase dourada em que a gente pode criar e recriar a vida à nossa própria imagem e semelhança e vestir-se com todas as cores e experimentar todos os sabores e entregar-se a todos os amores sem preconceito nem pudor. Tempo de entusiasmo e coragem em que todo desafio é mais um convite à luta que a gente enfrenta com toda disposição de tentar algo NOVO, de NOVO e de NOVO, e quantas vezes for preciso. Essa idade tão fugaz na vida da gente chama-se PRESENTE e tem a duração do instante que passa.

                                                                                                                 Mário Quintana


      Imagens : https://www.google.com.br/search?q=imagem+alegriabelasmensagens.com.br                                                                                                      

sábado, 7 de janeiro de 2017

Lana Del Rey - Born To Die





                                              Oração do Tempo


"Tudo o que lhe peço, Tempo, é que me salve do meu coração. Dessa entrega absurda de ir até o outro e me deixar sem mim. O que lhe peço, Tempo, é o caminho do meio. Aprender a receber antes de me entregar. Ver além. Peço que me devolva a mim mesma. Que eu me reconheça e me acolha. Me aqueça em meus buracos escuros e definitivamente me toque. Que eu saiba cuidar somente do que me cabe. E deixe ir. E deixe vir. Natural, inteira e suavemente. Que a vida me encontre distraída, sem a ânsia de buscar o que não sei. O que não vale. O que não é. O que lhe peço, Tempo, é a aceitação do tempo e da vida como ela é. Sei que ela me aguarda plena e legítima. Mostre a ela o caminho até mim. Enquanto isso, me adormeça em paz até que a verdade me alcance como um beijo. Tire de mim essa ânsia de ser feliz, inverta a ordem das coisas e assopre no ouvido da alegria o momento de me capturar sem volta. Que eu me aquiete na paz do merecimento, sem dar um passo ou um pio. Que apenas contemple. Que eu resista à tentação de correr para o que ainda não está pronto. Que eu me apronte para a surpresa de um dia simples. Que eu acorde como quem nasce além".


Cris Guerra

Imagem :  https://br.pinterest.com/pin/501869952201527426/

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

                                                 O Pássaro Cativo




                                Armas, num galho de árvore, o alçapão;
                                E, em breve, uma avezinha descuidada,
                                Batendo as asas cai na escravidão.
                                Dás-lhe então, por esplêndida morada,
                                A gaiola dourada;

                                Dás-lhe alpiste, e água fresca, e ovos, e tudo:
                                Porque é que, tendo tudo, há de ficar
                                O passarinho mudo,

                                Arrepiado e triste, sem cantar?
                                É que, crença, os pássaros não falam.
                                Só gorjeando a sua dor exalam,
                                Sem que os homens os possam entender;
                                Se os pássaros falassem,

                                Talvez os teus ouvidos escutassem
                                Este cativo pássaro dizer:
                                “Não quero o teu alpiste!

                                Gosto mais do alimento que procuro
                                Na mata livre em que a voar me viste;
                                Tenho água fresca num recanto escuro
                                Da selva em que nasci;


                               Da mata entre os verdores,
                               Tenho frutos e flores,
                               Sem precisar de ti!

                               Não quero a tua esplêndida gaiola!
                               Pois nenhuma riqueza me consola
                               De haver perdido aquilo que perdi ...
                               Prefiro o ninho humilde, construído
                               De folhas secas, plácido e escondido
                               Entre os galhos das árvores amigas ...
                               Solta-me ao vento e ao sol!

                               Com que direito à escravidão me obrigas?
                               Quero saudar as pompas do arrebol!
                               Quero, ao cair da tarde,

                               Entoar minhas tristíssimas cantigas!
                               Por que me prendes? Solta-me covarde!
                               Deus me deu por gaiola a imensidade:
                               Não me roubes a minha liberdade ...
                               Quero voar!   Voar! ... “

                               Estas coisas o pássaro diria,
                               Se pudesse falar.

                               E a tua alma, criança, tremeria,
                               Vendo tanta aflição:

                               E a tua mão tremendo, lhe abriria
                               A porta da prisão ...


                                                  Olavo Bilac

                  Poema publicado  em Poesias Infantis - http://pt.poesia.wikia.com/wiki/poesias_infantis

                             Imagem in Almanaque Cultural Brasileiro - Via  pesquisa  Google em 05.01.2017.



Humor

                                                                                             In "Quebrando Tabu"