sábado, 9 de dezembro de 2017

CACASO


Manhã profunda

                       para Maria Alice  

Um passarinho cantou tão triste
tão sozinho
um outro respondeu espere já vou
aí  já vou aí  já vou aí

CACASO. "Manhã profunda". In:_____. MORICONI, Ítalo (org.). Destino: poesia. Antologia. Rio de Janeiro: José Olympio, 2010.



Lar doce lar

Minha pátria é minha infância:
Por isso vivo no exílio

CACASO. "Lar doce lar" In: MORICONI, Italo (org.). Destino Poesia. Antologia. Rio de Janeiro: José Olympio, 2010.


Happy end

o meu amor e eu
nascemos um para o outro
agora só falta quem nos apresente


CACASO, . Beijo na boca. Rio de Janeiro: Sette Letras, 2000.



Cacaso (Uberaba MG, 1944 - Rio de Janeiro RJ, 1987) publicou seu primeiro livro de poesia, A Palavra Cerzida, em 1967. Dois anos depois formou-se bacharel em Filosofia pela UFRJ, em 1969. Na época já colaborava nos jornais cariocas Opinião e Movimento. Entre 1965 e 1975 foi professor de Teoria Literária na PUC/RJ. Participou nos movimentos estudantis contra o regime militar, em 1968. Em 1974 e 1975 integrou os grupos Frenesi, com Roberto Schwarz, Francisco Alvim, Geraldo Carneiro, João Carlos Pádua, e Vida de Artista, com Eudoro Augusto, Carlos Saldanha (Zuca Sardan), Chacal, Luiz Olavo Fontes, produzindo suas próprias coleções, antologias e revistas. Em 1987 conquistou o primeiro lugar no Festival de Música Som das Águas, realizado em Lambari MG, com a música O Dia do Juízo, em parceria com Sueli Costa. Sua obra poética inclui os livros Grupo Escolar (1974), Segunda Classe (1975), Beijo na Boca (1975), Na Corda Bamba (1978), Mar de Mineiro (1982) e Beijo na Boca e Outros Poemas (1985). Cacaso é um dos principais nomes da "poesia marginal" brasileira. Sua obra, influenciada por Manuel Bandeira, Carlos Drummond de Andrade e Oswald de Andrade, tematizou a política e o amor em tempos de ditadura e liberação sexual, com humor e crítica social.

sábado, 25 de novembro de 2017

Álvares de Azevedo



                                    Álvares de Azevedo: "Se eu morresse amanhã"





                                                        Se eu morresse amanhã

                                             Se eu morresse amanhã, viria ao menos
                                             Fechar meus olhos minha triste irmã;
                                             Minha mãe de saudades morreria
                                             Se eu morresse amanhã!

                                             Quanta glória pressinto em meu futuro!
                                             Que aurora de porvir e que manhã!
                                             Eu perdera chorando essas coroas
                                             Se eu morresse amanhã!

                                             Que sol! que céu azul! que doce n'alva
                                             Acorda a natureza mais louçã!
                                             Não me batera tanto amor no peito
                                             Se eu morresse amanhã!

                                             Mas essa dor da vida que devora
                                             A ânsia da glória, o dolorido afã...
                                             A dor no peito emudecera ao menos
                                             Se eu morresse amanhã!






AZEVEDO, Álvares de. "Se eu morresse amanhã". In: BARBOSA, Frederico. Cinco séculos de poesia. Antologia da poesia clássica brasileira. São Paulo: Landy, 2003.

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

                                                       
                                                       
                                                     AUTORRETRATO

                                                Como pode água nascer
                                                de pedra
                                                como pode, posso eu
                                                também ter matéria
                                                grave e intransponível
                                                conjugada a esta outra
                                                transparente, irrepresável.

                                                Basta um olhar à fotografia –
                                                o bebê no colo
                                                o papel envelhecido.
                                                Ao mesmo tempo que um avança
                                                somando anos
                                                o outro recua, mais antigo.

                                                Quando as tardes pareciam
                                                maiores
                                                quando o fim do dia
                                                era o fim do dia
                                                quando tatuagens não eram
                                                para sempre.

                                                O tapete da sala era branco
                                                e peludo, parecia um bicho
                                                depois da ração diária.
                                                O sol entrava geométrico
                                                e, espremendo-se entre as grades
                                                desenhava escarpas
                                                onde eu me deitava
                                                junto ao bicho.
                                                Eu fechava os olhos
                                                para ver as cores no escuro.

                                                Só o que morria era inseto.

                                                Sorrir nunca foi fácil.
                                                Cresço com a boca miúda
                                                e ainda não gosto de piadas.

                                                Conservo a interrogação
                                                quando de frente ao espelho:
                                                como pode ser tão diferente
                                                o frontal do perfil?
                                                E me pergunto, desde lá
                                                se todos enxergamos as mesmas coisas
                                                se a língua não é tão só
                                                um mesmo código para coisas distintas
                                                se entre mim e você
                                                não há um abismo sem solução.

                                                O que sei é o que não sei
                                                sobre projetos de futuro.

                                                E mesmo assim escrevo cartas
                                                (funcionam melhor que espelhos)
                                                para meu próprio endereço.
                                                Me respondo como se já tivesse
                                                arquivado toda a memória
                                                e pudesse confortar
                                                confrontar o porvir.

                                                Quando escrevo me passo a limpo
                                                sem riscar as imperfeições.

                                                A infância ainda gravita
                                                em mim. Não só
                                                a minha, mas outras
                                                que vêm com músicas
                                                sub-reptícias, por um atalho
                                                por onde atravessam
                                                com a velocidade
                                                incalculável
                                                do tempo.

                                                Dar nome às coisas:
                                                primeiro passo torto
                                                até que se deseje
                                                as coisas puras
                                                sem auxílio de som —
                                                a rosa única
                                                a pedra que se sabe pedra.
                                                Segundo passo, falho:
                                                inominar.

                                                Nos retratos guardamos nos olhos
                                                o vidro dos olhos do gato
                                                a cama ainda desfeita
                                                a última tempestade
                                                e o escuro do que virá.
 
                                                 [Colher nas mãos o que
                                                 das mesmas mãos se extinguiu:
                                                 pedra papel tesoura.]

                                                                                  Laura Liuzzi


Laura Liuzzi é poeta e autora de Calcanhar, da editora 7Letras, e Desalinho, da Cosac Naify,
Nasceu no Rio de Janeiro (RJ), em 1985. 

quinta-feira, 17 de agosto de 2017




                                             Exausto

                         Eu quero uma licença de dormir,
                          perdão pra descansar horas a fio,
                          sem ao menos sonhar
                          a leve palha de um pequeno sonho.
                          Quero o que antes da vida
                          foi o profundo sono das espécies,
                          a graça de um estado.
                          Semente.
                          Muito mais que raízes.

                                                                              Adélia Prado



                                     (in "Bagagem" São Paulo: Ed.Siciliano, 1993)

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

                                                           Identificação

                                      Eu me diluí na alma imprecisa das coisas.
                                      Rolei com a Terra pela órbita do infinito,
                                      Jorrei das nuvens com a torrente das chuvas
                                      E percorri o espaço no sopro do vento;
                                      Marulhei na corrente inquietadora dos rios,
                                      Penetrei a mudez milenária das montanhas;
                                      Desci ao vácuo silencioso dos abismos;
                                      Circulei na seiva das plantas,
                                      Ardi no olhar das feras,
                                      Palpitei nas asas das pombas;
                                      Fui sublime n’alma do homem bom
                                      E desprezível no coração do mesquinho;
                                      Inebriei-me da alegria do venturoso;
                                      E deslizei dolorosamente na lágrima do infeliz.

                                      Nada encontrei mais doloroso,
                                      Mais eloquente,
                                      Mais glorioso
                                      Do que a tragédia cotidiana
                                      Escrita em cada vida humana.


                                                                                              Helena Kolody

segunda-feira, 31 de julho de 2017



 O dia em que eu mordi Jesus Cristo

 Ruth Rocha

Eu estava numa escola onde não tinha aula de religião.
E todos os meus amigos já tinham feito a primeira comunhão, menos eu.
Então me deu uma vontade danada de fazer primeira comunhão. Eu nem sabia direito o que era isso, mas falei pra minha mãe e pro meu pai e eles acharam que até podia ser bom, que eu andava muito lavada e coisa e tal, e me arranjaram uma tal de aula de catecismo, que era na igreja.
Aí eu não gostei muito, que todo sábado de manhã, enquanto meus amigos ficavam brincando na rua, eu tinha que ir na tal aula. Eu ia, né, e aí eu arranjei uns amigos e tinha uma menina boazinha que vinha me buscar que ela também ia na aula e a gente ia pra igreja rindo de tudo que a gente via.
E na aula a gente aprendia uma porção de coisas, e tinha uma que eu achava engraçada e que era uma rezinha bem curtinha, que se chamava jaculatória. Eu achava esse nome meio feio, sei lá, me lembrava alguma coisa esquisita...
E o padre uma vez mostrou pra gente um livrão, que tinha uma figura com o inferno e uma porção de gente se danando lá dentro.
E a gente tinha que aprender a rezar a Ave-Maria e o Padre-Nosso e o Creindeuspadre.
E tinha um tal de ato de contrição, e uma tal de ladainha, que a gente morria de rir.
E aí a gente começou a aprender como é que se confessava, que tinha que dizer todos os pecados pro padre e eu perguntava pro padre o que era pecado e ele parece que nem sabia direito.
Quando eu chegava em casa e contava essas coisas, meu pai e minha mãe meio que achavam graça e eu comecei a achar que esse negócio de primeira comunhão era meio engraçado...
E aí o padre começou a explicar pra gente como era a comunhão e que a gente ia comer o corpo de Cristo, que na hora da missa aquela bolachinha chamada hóstia vira o corpo de Cristo.
Eu estava muito animada era com o meu vestido novo, que era branco e era cheio de babados e rendas, e na cabeça eu ia botar um véu, que nem a minha avó na missa, só que o meu era branco e mais parecia uma roupa de noiva.
E eu ganhei um livro de missa lindo, todo de madrepérola, e um terço que eu nem sabia usar, minha mãe disse que antigamente as pessoas rezavam terço, mas que agora não se usava mais...
E o dia da comunhão estava chegando e a minha mãe preparou um lanche, ia ter chocolate e bolo e uma porção de coisas, que a gente ia voltar bem depressa da igreja, que quem ia comungar não ia poder comer antes da missa. E era só eu que ia comungar.
E eu perguntei pra minha mãe por que é que ela nunca comungava e ela disse que um dia desses ela ia.
E eu perguntei por que é que o meu pai nunca ia na igreja e ele disse que um dia desses ele ia.
E aí chegou a véspera da minha comunhão e eu tive de ir confessar. E eu morri de medo de errar o tal ato de contrição e na hora que eu fui confessar mandaram eu ficar de um lado do confessionário, que é uma casinha com uma janelinha de grade de cada lado e um lugar de cada lado para ajoelhar, e o padre fica lá dentro.
Eu ajoelhei onde me mandaram e aí eu ouvia tudo que a menina do outro lado estava dizendo pro padre e era que ela tinha desobedecido a mãe dela e o padre mandou rezar vinte Ave-Marias.
Eu fiquei meio que achando que era pecado ouvir os pecados dos outros, mas como ninguém tinha falado nada pra mim eu fiquei quieta, e quando o padre veio pro meu lado eu fui logo falando o ato de contrição: eu pecador me confesso e o resto que vem depois.
E eu contei os meus pecados, que pra falar a verdade eu nem achava que eram pecados, mas foi assim que me ensinaram. E aí o padre disse uma coisa que eu não entendi e eu perguntei “o quê” e o padre disse "vai tirar o cera do ouvido”. E eu disse “posso ir embora?” e ele disse “vai, vai logo e reze vinte Ave-Marias”. E eu achei que ele nem tinha escutado o que eu disse e que ele que precisava tirar a cera do ouvido.
No dia seguinte eu botei o meu vestido branco e eu não comi nadinha, nem bebi água, e nem escovei os dentes, de medo de engolir uma aguinha.
E eu estava morrendo de medo, que todo mundo tinha dito que se a gente mordesse a hóstia saía sangue.
A igreja cheirava a lírio, que é um cheiro que até hoje eu acho enjoado.
As meninas e os meninos que iam fazer primeira comunhão ficavam lá na frente, nos primeiros bancos e davam pra gente uma vela pra segurar.
O padre foi rezando uma missa comprida que não acabava mais e às tantas chegou a hora da gente comungar e as meninas foram saindo dos bancos e foram indo lá pra frente e ajoelhando num degrau que tem perto de uma grade.
E o padre veio vindo com uma taça dourada na mão e ele tirava a hóstia lá de dentro e ia dando uma por uma para cada menina e menino.
Aí chegou a minha vez e abri bem a boca e fechei os olhos que nem eu vi as outras crianças fazerem e o padre botou a hóstia na minha língua. Eu não sabia o que fazer, que morder não podia e a minha boca estava sequinha e a hóstia grudou no céu da boca eu empurrava com a língua e não desgrudava e enquanto isso eu tinha que levantar e voltar pro meu lugar que já tinha gente atrás de mim querendo ajoelhar.
E eu nem aprestei atenção e tropecei no vestido da Carminha e levei o maior tombo da minha vida.
É claro que eu fiquei morrendo de vergonha e eu levantei e nem prestei atenção se eu tinha machucado o joelho. O que estava me preocupando mesmo é que eu tinha dado a maior mordida na hóstia.
Eu estava sentindo tudo que é gosto na boca, que devia de estar saindo sangue da hóstia, mas não tinha coragem de pegar pra olhar.
Aí eu pensei assim: “se eu não olhar se saiu sangue agora, nunca mais na minha vida eu vou saber se é verdade essa história”.
Aí eu meti o dedo na boca e tirei um pedaço da hóstia, meio amassado, meio molhado. E estava branquinho que nem tinha entrado.

E foi assim que eu aprendi que quando as pessoas falam pra gente coisas que parecem besteira não é pra acreditar, que tem muita gente besta neste mundo!

Ruth Rocha – Historinhas Malcriadas . Série: Toda Criança do Mundo   Editora: Salamandra

Imagem :  Kika Esteves - WordPress.com KEgirl-1stcommunion KEboy-1stcommunion …